quarta-feira, 5 de agosto de 2009

A Distância Entre Nós

Terminei de ler o livro "A Distância Entre Nós", da escritora Thrity Umrigar. Para todos aqueles que gostam de ler um bom livro, envolvente, emocionante e em muitos momentos revoltante, fica a indicação. É uma daquelas histórias que simplesmente não dá pra parar de ler. Os sentimentos são passados de uma maneira tão real e tão tocante que fica difícil não se envolver com os personagens, cada um sofrido pela sua própria história de vida. A simplicidade do olhar de Bhima, a protagonista, nos mostra um retrato de uma Bombaim dura, cruel e árida. Nesse contexto sua história é contada, assim como a história de Sera, outra personagem marcante, e é com tristeza que notamos como o destino de alguns pode ser negro e imutável.

Além da leitura ser fácil e envolvente, existem várias passagens carregadas de uma melancolia poética, características do tipo de narração da escritora:

"A MULHER MAGRA DE SÁRI VERDE estava de pé nas pedras escorregadias e olhava as águas escuras em torno de si. O vento morno soltava do coque alguns fios do seu cabelo ralo. Atrás dela, os sons da cidade ficavam abafados, silenciados pelo contínuo bater da água em seus pés descalços. A não ser pelos siris que ela ouvia e sentia correrem pelas pedras, estava completamente sozinha ali — sozinha com os murmúrios do mar e a lua distante, fina como um sorriso no céu noturno. Até suas mãos estavam vazias, agora que as abriu e liberou os balões cheios de gás, observando até que o último deles tivesse sido engolido pela escuridão da noite de Bombaim. Suas mãos estavam vazias agora, vazias como seu coração, que era como um coco cuja polpa tivesse sido arrancada.

Equilibrando-se com dificuldade nas pedras, sentindo a água que subia lambendo seus pés, a mulher levantou o rosto para o céu negro retinto procurando uma resposta. Atrás dela, a cidade perdida e uma vida que naquele momento parecia fictícia e irreal. À sua frente, o limite quase imperceptível onde o mar se encontra com o céu. Poderia subir de novo pelas pedras e pelo muro de cimento e reingressar no mundo, participar de novo do ritmo louco, pulsante e imprevisível da cidade. Ou poderia entrar no mar à sua espera e deixar que ele a seduzisse e a envolvesse com seus sussurros íntimos. Olhou de novo para o céu procurando uma resposta. Mas a única coisa que conseguia ouvir era as batidas habituais de seu coração submisso..."

"EMBORA ESTIVESSE AMANHECENDO, dentro do coração de Bhima a escuridão permanecia."

1 comentários:

Gislene disse... [Responder comentário]

OI, ANA!
COMO ADORO LER, VOU SEGUIR SUA SUGESTÃO. UM ABRAÇO, GISLENE.

Related Posts with Thumbnails