quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Promessas de ano novo

Dezembro é sempre angustiante. Não existe mês que coloque mais pressão sobre mim. Em todos os sentidos! É porque as férias estão chegando e eu preciso deixar tudo em ordem no trabalho, para não ficar o tempo todo me remoendo de lembranças de coisas não feitas. Também porque oficialmente, pelo calendário, o ano ficou velho e será descartado em breve, portanto dá uma nostalgia estranha. O novo ano que está logo ali na esquina me deixa um pouco desconcertada. Mas antes de chegar nele ainda tem a suposta alegria do Natal e a explosão do Réveillon. Nunca gostei da comemoração de nenhuma das duas datas. Os Natais são muito cheios de emoções exacerbadas. Ou deveriam ser. Porque eu não consigo me sentir assim... me sinto na verdade triste por não conseguir me sentir assim. E o Réveillon então... acho que nunca passei um realmente bom. Sempre aquela coisa de última hora, muitas vezes desconfortável. A sensação é a de que nunca aproveitei a noite da forma que todo mundo aproveita.

Mas o motivo que eu considero o principal nesse mal estar de fim de ano, ou melhor, na incapacidade de me sentir parte da alegria/harmonia mundial, são mesmo os desejos que a gente "deveria" ter pro ano novo. Essa é a parte mais angustiante. Porque eu não sei o que prometer pro próximo ano. E não quero deixar de prometer algo pra mim mesma. Então eu sempre termino me prometendo a mesma coisa. Sempre. Basicamente eu prometo tentar seguir o que é importante pra mim. Fazer as escolhas certas, e isso quer dizer escolher de forma a ouvir o que eu desejo. Talvez por isso sempre tenha sido fácil pra mim, mudar. Desde que terminei o mestrado eu já mudei de emprego 4 vezes, nos últimos 4 anos. Só porque aquilo não me deixava mais feliz, só porque eu não me imaginava fazendo aquilo em 10 anos ou mais. E nessa eu mudei de cidade 2 vezes, troquei emprego bom por outro sem nenhuma garantia, troquei segurança por aventura. E as promessas de fim de ano me levam a isso de novo. Relembrar que a única coisa que eu quero prometer, que eu posso prometer, é ser fiel a mim mesma.

Hoje no laboratório surgiu uma conversa desse tipo. Algo sobre o motivo das pessoas estarem fazendo doutorado. Eu, por mais diferente que possa ser, faço por prazer. Ponto. Se isso aumentar minha renda no futuro, ótimo. Mas não acho tão provável, já que não tenho a menor intenção de continuar no meio acadêmico até virar uma catedrática de universidade federal. Isso é exatamente o que eu não quero. Quero manter o maravilhamento da descoberta científica. Acho que isso eu nunca vou perder. Mas catedráticos acabam virando burocráticos. E isso eu nunca quero ser.

Mas a minha promessa, esse ano, vai ser um pouco mais extensa. Além de respeitar os meus desejos, eu prometo cuidar mais de mim. Essa promessa é bem genérica, pra que eu não me sinta presa em um ponto somente. O cuidar de mim vai envolver cuidar do corpo e da alma. Porque não adianta ter uma mente boa e sã, ávida por aprender, se o resto não conseguir acompanhar. Então eu prometo ler coisas interessantes, por puro prazer, tentar conhecer gente nova e instigante, me exercitar um pouco, pra que o horror dos 30 diminua, ouvir mais música clássica, ser mais paciente, aproveitar mais o pouco tempo que eu tenho por aqui, que todo mundo tem.

E o que tiver de ser... será!


1 comentários:

Sara disse... [Responder comentário]

Ana Ana Ana...
e que tal aproveitar este final de ano para relaxar e finalmente aproveitar e saborear o Natal e a passagem de ano?

Promessas para 2010... ainda ando a pensar as minhas, mas gostei do seu texto!

E da neve? Já viu as fotos no meu blog?

Beijinhos

Related Posts with Thumbnails