quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A via crucis do visto americano

Tudo começou quando eu resolvi fazer doutorado-sanduíche. Isso é o termo usado para quando você sai do Brasil, recebendo bolsa, para fazer uma parte do doutorado no exterior, então retornar ao país e terminar a pesquisa por lá. Apesar de ter um projeto e de ter uma carta de aceite de uma professora da Joslin Clinic, uma prestigiada clínica voltada para a pesquisa em Diabetes, associada à Escola de Medicina de Harvard, a bolsa foi negada duas vezes. Como eu já estou no fim do doutorado, eu e minha orientadora optamos por eu vir para os Estados Unidos fazer um estágio de curta duração. Bom, foi aí que tudo começou a ficar cabuloso.

Para quem não sabe, tentar tirar um visto pros Estados Unidos é um verdadeiro parto. Um absurdo de taxas para pagar, uma falta de horários para marcar a entrevista, até para falar com eles é preciso pagar uma taxa. Uma vez preenchido o formulário online demoníaco que eles têm, pagado mil e uma coisas, consegui pedir um adiantamento de entrevista, já que iria a um Congresso em Miami, antes de ir pra Boston. O adiantamento foi aprovado (com o pagamento de mais taxas) e a entrevista marcada para o dia 05 de outubro. O interessante é que eles tinham vagas em agosto, mas pro meu caso o agendamento só poderia ser realizado a partir de 5 de outubro (meu congresso começava no dia 23). Ok. Perto do dia, recolhi os mil documentos necessários, tirei foto para o visto, paguei mais 140 dólares no Citibank... no dia, peguei um taxi para estar lá antes das 6:30 da manhã, entrei na maior fila do mundo, gigaaaante, confusa ao extremo, onde os documentos eram conferidos, grampeados, revirados. Até chegar frente ao consul, que me fez meia dúzia de perguntas e disse que meu visto tinha sido aprovado (não pediu pra ver absolutamente documento nenhum). Fui lá e paguei o sedex... o passaporte chegaria de 6 a 10 dias úteis. Bom, até então, sucesso em todas as etapas. Comprei as passagens, arrumei parcialmente a mala, deixei em ordem minhas coisas na USP, mas.... no dia 21 (dia da viagem) o passaporte ainda não havia chegado. Acho que foi uma das maiores decepções que já vivi.

Quando tentava ligar no consulado, só me respondiam que eu deveria mandar um email e que ele seria respondido em 3 dias úteis. Se tentava falar nos correios, sempre me diziam que o passaporte ainda não tinha sido liberado pelo consulado. Imaginem a raiva que eu sentia.... era uma revolta.... 
Resumo: cancelei a passagem e tive que pagar uma senhora multa. No dia seguinte, à noite, o maldito passaporte chegou. Era um sábado e tive que esperar até segunda para viajar. Perdi dois dias e meio de Congresso. Um absurdo. Se alguém souber se é possível processar a embaixada americana por isso, gostaria de saber...

Mas, o que importa, nesse momento, é que eu vim pra Miami. O Congresso foi muito bom, apesar de eu ter chegado só para os dois últimos dias. Fiz muitos contatos, conheci bastante gente, interagi. Agora estou aqui, nessa quinta-feira, aproveitando um dia de folga nessa cidade tão bonita, que todo mundo só conhece por ser um paraíso de compras, mas que é muito viva e interessante! Domingo vou pra Boston, onde fico várias semanas. Acho que este blog está se convertendo, novamente, num diário de bordo!


1 comentários:

Bia disse... [Responder comentário]

Adooooro diários de bordo! Vou ficar ligada por aqui!!! Apesar de tudo...vc chegou, agora o lance é aproveitar e muito!! bjs

Related Posts with Thumbnails