domingo, 9 de março de 2014

TAG: Palavras Cruzadas

Encontrei essa TAG no canal do youtube da Tatiana Feltrin (originalmente do Canal InesBooks) e a achei bem interessante e divertida. Resolvi colocar aqui por escrito, mesmo, já que não tenho um Vlog. A idéia é responder a 15 perguntas, indicando livros que já li (E como a TAG original está em português de Portugal, mantive as perguntas no mesmo estilo)! Vamos lá!

1) Vox Populi (um livro para recomendar a toda a gente)


Recentemente li o livro "O Arroz de Palma", de Francisco Azevedo, e me apaixonei pela leitura. É um livro extremamente bem escrito, com uma beleza nas frases que me deixou até bastante emocionada. Um século de história de uma família é lindamente descrita e os personagens são interessantes e tangíveis. E, além do mais, é um livro brasileiro que merece mais destaque!

2) Maldito plágio (um livro que gostávamos de ter escrito)


Gosto muito de literatura fantástica. Estive tentada a dizer que gostaria de ter escrito "O Senhor dos Anéis", mas só de pensar no trabalho de se desenvolver até mesmo línguas inteiras desse universo, resolvi escolher um dos meus livros preferidos e que me marcou profundamente desde a minha infância: "A História sem Fim", de Michael Ende. É um livro para se ter na coleção e reler várias vezes! A história é de uma criatividade e sensibilidade absurdas!

3) Não vale a pena abater árvores por causa disto


Esta categoria é um pouco complicada. Eu não me lembro de livros que tenha considerado realmente péssimos na escrita e na falta de objetivo (minha memória é bem ruim...). Lembro de vários que eu não gostei, mas talvez porque não sejam meu estilo. Portanto, escolhi um recente, que realmente me cansou, mas que é de uma autora muito famosa e clássica: "O quarto de Jacob", de Virginia Woolf. É o segundo livro dela que eu peguei pra ler e simplesmente não conseguia focar na leitura por mais que 5 minutos. O tempo todo eu me pegava contando as páginas para ver quanto tempo ainda levaria. Foi uma verdadeira tortura literária. Mas já vi várias pessoas com opiniões positivas.

4) Não és tu, sou eu (um livro bom lido na altura errada)


Quando estava estudando espanhol, sempre tentava ler livros dentro deste idioma. Uma amiga me passou o livro "Ficciones", de Jorge Luis Borges, que é uma das suas obras mais conhecidas e aclamadas. Eu simplesmente não consegui passar do segundo conto. Não sei se porque eu ainda não tinha um conhecimento da língua adequado para esta leitura ou se os contos requeriam outro estado de espírito e minha vida estava extremamente corrida. De qualquer maneira, eu tenho tanta certeza que este é um ótimo livro que comprei minha própria cópia quando estive na Argentina, dias atrás!

5) Eu tentei... (um livro que tentámos ler mas não conseguimos)


Mais uma vez eu me debati com um livro da Virginia Woolf. "Mrs. Dalloway" foi o primeiro livro dela que me empenhei a ler.. por um ano inteiro!... e não consegui! E como vejo gente dizendo que esse é um livro excelente, etc, etc, etc. Talvez tenha sido o momento (tentei ler no final do meu doutorado), mesmo porque eu consegui ler "O Quarto de Jacob" que é ainda mais chato, mas eu com certeza insistirei nesta leitura futuramente!

6) Hã? (um livro que lemos e não percebemos nada OU um livro que teve um final surpreendente)


 É com extrema vergonha que digo que praticamente não consegui entender o que "Neuromancer", de William Gibson, tem de bom. Isto porque eu simplesmente adoro esse universo geek/nerd fantasioso. Eu também sabia que este livro trazia o primeiro contexto de "Matrix" e conhecia um pouco da história. Mas achei o livro em si extremamente confuso e cansativo. Como eu queria ter amado esta obra!!! Mas não penso nem em ler mais nada desta "série".
E como final surpreendente, escolhi um livro YA recente, que me deixou empolgadíssima com as reviravoltas do meio até o fim: "Em Chamas", de Suzanne Collins, o segundo da Trilogia Jogos Vorazes. E como eu resolvi roubar nas regras, estou colocando também o livro final: "A Esperança", mas neste caso só mesmo o final salva a obra.

7) É tão bom, não foi? (um livro que devorámos)


Como já ficou bem claro, eu adoro literatura fantasiosa e distopias. Os livros que mais me deixam vidrada, sem dormir direito, lendo pelos cantos, são sempre neste estilo. Poderia citar vários: "O Senhor dos Anéis" de Tolkien; "1984", de Orwell; "Harry Potter", de J. K. Rowling; "Jogos Vorazes", de Suzanne Collins; mas vou premiar o primeiro livro das Crônicas de Gelo e Fogo: "A Guerra dos Tronos", de George R. R. Martin. Lembro que na época que comecei a ler este livro eu estava fazendo um estágio, no final do meu doutorado, em Boston. Eu trabalhava o dia inteiro, inclusive finais de semana, para conseguir terminar os experimentos a tempo. E a cada 10 ou 15 minutos que eu tinha livre ou durante almoços e jantares, eu abria o kindle e lia tanto que era preciso colocar um despertador para que eu não perdesse o horário. No final das contas, não foi um livro que eu li tão rápido, simplesmente por falta absoluta de tempo, mas lembro que eu lia sempre que tinha alguns minutos e chegava a sonhar com a história.

8) Entre livros e tachos (uma personagem que gostaríamos que cozinhasse para nós)


Sem dúvida eu penso logo na Tita, personagem principal do livro "Como Água para Chocolate", da mexicana Laura Esquivel. O livro todo te dá fome! Cada capítulo começa com uma receita maravilhosa e as descrições dos pratos e sabores se misturam aos sentimentos que o livro traz. Muito bom!

9) Fast Forward (um livro que podia ter menos páginas que não se perdia nada)


Aqui entram dois livros totalmente diferentes e por motivos completamente diversos. O primeiro livro é um calhamaço e poderia ter sido diminuído em pelo menos uns 30 a 40%: "A Dança dos Dragões", de George R. R. Martin (quinto livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo). Ainda assim essa obra é incrível, mas acho que o excesso de descrições "políticas" e de páginas sem fim onde quase nenhuma ação acontece é simplesmente cansativo.
O outro livro é muito pequeno! O meu problema é que não consegui gostar de Dom Casmurro quando o li (leitura obrigatória da escola) simplesmente porque a história é uma repetição sem fim da mesma coisa: fui traído ou não???? (multiplique essa frase pelo infinito). Portanto, se era só pra ficar nessa dúvida cruel, esse livro não merecia mais do que 100 páginas. Penso em reler este livro, já que a minha opinião pode estar baseada num péssimo momento em que o li (e era muito jovem!).

10) Às cegas (um livro que escolheríamos só por causa do título)


A minha escolha é "As Canções da Terra Distante", de Arthur C. Clarke. Dele já tinha lido "2001, Uma Odisséia no Espaço" e quando fui até a biblioteca me encantei com este outro livro e o levei para casa somente pelo título mesmo! Mas a história é sensacional!
Fiquei bastante tentada a escolher "A História sem Fim", de Michael Ende, e "Feliz Ano Velho", de Marcelo Rubens Paiva, que merecem menção honrosa por terem títulos que me fizeram querer lê-los.

11) O que conta é o interior (um livro bom com uma capa feia)


Assim como a Tatiana Feltrin, eu também escolhi "O Grande Gatsby" como o livro de capa mais horrorosa que consigo lembrar. Gente, o que é essa capa??? E o pior é que essa imagem é super associada ao livro/filme, inclusive já vi camisetas com essa estampa... O que dizer? Só que eu preferiria mil vezes comprar este livro com a capa do filme, o que é algo raro de dizer, já que detesto capas assim!

12) Rir é o melhor remédio (um livro que nos tenha feito rir)



Mais uma vez, lá vou eu roubar nas regras e indicar dois livros! =D
O primeiro, que na verdade faz parte de uma série, é "O Guia do Mochileiro das Galáxias", de Douglas Adams. Ria do absurdo das situações e das ironias do texto. Achei muito divertido, mas conheço quem não suporte o estilo (Oi, Mãe!).
O segundo é "Minha Vida de Menina", de Helena Morley. Neste caso, não foram risadas incontroláveis, mas associadas a um bom sentimento ao ler a infância da autora em Diamantina - MG, tão cheia de situações divertidas/engraçadas e que me fizeram lembrar minha vida no interior!

13) Tragam-me os Kleenex, se faz favor (um livro que nos tenha feito chorar)


Das duas vezes que li "Meu Pé de Laranja Lima", de José Mauro de Vasconcelos, precisei parar a leitura porque chegava a ter dor de cabeça e rosto inchado de tanto chorar. Um livro incrível, mas muito, muito triste, que fala da infância extremamente pobre e difícil do autor! A menção honrosa vai para "A Menina que Roubava Livros", do Markus Zusak, que mostra uma história cativante e destruidora de corações em meio à Alemanha nazista.

14) Este livro tem um v de volta (um livro que não emprestaríamos a ninguém)


Sem dúvida eu escolho "O Mundo Assombrado pelos Demônios (A ciência vista como uma vela no escuro)", de Carl Sagan. A escolha se baseia no fato do Carl Sagan ser a pessoa mais inspiradora (cientificamente falando) que "conheço". Ele foi um cientista brilhante e um divulgador da Ciência ainda mais incrível. Este livro fala de como ele tenta ver os fenômenos "sobrenaturais" pela luz da Ciência. E porque ele chegou a este tipo de pensamento. Tudo de uma maneira fácil de ler, de entender, e muito inspiradora. Meu ídolo!!!

15) Espera aí que eu já te atendo (um livro ou autor que estamos constantemente a adiar)


Ahh, com certeza escolho o livro "1Q84", de Haruki Murakami. Quando estive em Boston (final de 2011, começo de 2012) ganhei este livro como presente dos meus colegas de laboratório. Todos sabiam o quanto eu gosto de ler e quiseram comprar logo uma obra grande para que a "viagem de volta" fosse menos tediosa. Hoje, mais de 2 anos depois, ainda nem li a primeira página! =(
Morro de vergonha de admitir, mas eu sempre tinha mil coisas ao mesmo tempo para ler, e como este é um tomo grande, com ilustrações, com jacket, resolvi ir deixando pra depois, pra depois... Mas deste ano não passa! =) 

2 comentários:

Inês disse... [Responder comentário]

Estou há tanto tempo para ler o "Arroz de Palma", deve ser um livro lindo, bem ao género de Jorge Amado, não?
E 1Q84 é uma ótima forma para começar a ler Murakami. Eu sei que parece enoorrmeee mas lê-se num instante :)
Obrigada por responderes :)
Beijinhos!

Ana Campanha disse... [Responder comentário]

Olá, Inês! "Arroz de Palma" é um dos melhores livros que já li, mas admito não conhecer tanto Jorge Amado para arriscar uma comparação. Dele só li um livro, que nem gostei tanto, e não consigo ver tantas semelhanças.
E muito obrigada por ter me dado um ânimo a mais para ler o 1Q84!
Agradeço pela visita! Beijo!

Related Posts with Thumbnails